La tragedia del silencio y el sonido del bambuco, el vallenato, la salsa y la música tropical

O cinema colombiano conta com cem anos de existência, de história; uma história marcada, entre outros assuntos, pela ausência de uma indústria cinematográfica nacional[1]. Cem anos com diversas retomadas e com a tímida criação de políticas culturais para as artes e a cultura. Cem anos de lutas, de experimentações, de histórias sobre nossos conflitos, sobre nossa identidade, nossas estéticas e, claro, nossa música.

A história do cinema musical colombiano tem, por um lado, relação direta com a ausência de equipamentos de captação de som e pessoal capacitado, que fez com que durante as décadas de quarenta e cinquenta existisse nos filmes uma tendência nacional às interpretações de canções e de bailes. Da mesma forma, também tem relação com o “folclore” e as identidades nacionais, evidenciadas em comédias e dramas musicais contados a partir das letras e das sonoridades do bambuco, da salsa, do vallenato, da música tropical, entre outras.

Neste site, o leitor encontrará uma parte da história do cinema colombiano, contada a partir de depoimentos, textos, documentários e ficções musicais como as “comedias folclóricas” Al son de las guitarras (1938 – Alberto Santana e Carlos Schroeder), Bambucos y corazones (1945 – Gabriel Martínez), La canción de mi tierra (1945 – Federico Katz); alguns filmes da década de oitenta como Tacones (1982 – Pascual Guerrero), Con su música a otra parte (1984 – Camila Loboguerrero), La boda del acordeonista (1986 – Luis Fernando “Pacho” Botia); e alguns filmes dos últimos 15 anos como Te busco (2002 – Ricardo Coral), El ángel acordeón (2008 – Maria Camila Lizarazo) e o maravilhoso Los viajes del viento (2009 – Ciro Guerra).

Esta será, pois, uma cartografia musical de um país que a ainda tem muito por contar – e cantar.

[1] Desde 1915 – quando se realizou o primeiro filme colombiano – até 2003, foram produzidos 280 filmes. Posteriormente, segundo o pesquisador Gonzálo Castellanos, entre 2003 e 2013, foram feitos 132 filmes, “quase a metade do que o país fez ao longo da sua história cinematográfica”. Ambas cifras muito baixas se se compara com outros países da América Latina como Argentina, México e o Brasil.

Natalia Rueda          

 

Referências: Fundación Patrimonio Fílmico Colombiano. História del Cine Colombiano.

KING, John. El Carrete Mágico. TM Editores, Traducción: Gilberto Bello, 1990.

PARANAGUÁ, Paulo Antonio. O Cinema na América Latina: Longe de Deus e perto de Hollywood, L&PM, Porto Alegre, 1984.

Órgãos Representativos