Um acervo de aproximadamente cem filmes (oitenta dos quais podem ser relacionados ao cineasta de origem italiana Alfredo Massi) constitui o patrimônio audiovisual de El Salvador. Embora essa breve cinematografia englobe diferentes gêneros, desde os primórdios de sua existência, a presença do documentário é muito expressiva.

De acordo com Grégori (2006), o cinema de El Salvador é composto por três diferentes períodos históricos. O primeiro deles marca o início das atividades cinematográficas no país na primeira metade do século XX, onde as projeções eram apresentadas em espaços abertos e com o fundo musical proveniente de performances ao vivo, que podiam ser acompanhadas por instrumentos como piano e marimba ou, até mesmo, por orquestras. Nesse período, também, o primeiro longa-metragem com roteiro foi realizado. De Virgilio Crisonino, Las Águilas Civilizadas se mostrou como um sucesso em 1927, embora nenhuma cópia deste filme tenha sido conservada.

No segundo período, que coincide com a segunda metade do século XX, apesar da produção documental permanecer majoritária, obras mais experimentais e narrativas emergem no cenário cinematográfico salvadorenho. Além disso, nomes como os de José David Calderón, Alejandro Cotto, Baltazar Polío e André Guttfreund ganham destaque por estarem atribuídos a eles, respectivamente: os primeiros esforços para fazer um cinema comercial no país; autoria de um dos curtas-metragens finalistas no Festival de Berlim em 1961 (El Rostro); participação do primeiro curta-metragem experimental salvadorenho no Festival de Nuevo Cine Latinoamericano de La Habana/Cuba; vitória no Oscar pelo curta Na Região do Gelo em 1976, na categoria de produção.

Sob o argumento da reforma educativa e modernização, o governo de El Salvador recebeu o apoio dos Estados Unidos para criar a Televisón Educativa (TVE) no ano de 1969. Em 1973 a TVE do país já tinha um departamento dedicado à produção cinematográfica. Por dezoito anos, a TVE esteve ativa e recebeu os cineastas Jean Leduc e Roberto Rossellini para fornecerem treinamento a equipe técnica, entretanto, em 1987, o Ministério da Educação já não tinha mais condições de mantê-la. O golpe de Estado em 1979 e a Guerra Civil desarticularam diferentes setores, dentre eles, a indústria cinematográfica. Segundo Grégori (2006), somada a essas questões, o roubo de materiais e equipamentos técnicos provocou a falência da TVE. Como consequência desses eventos, as produções mais significativas da época foram assumidas por grupos guerrilheiros tais como Las Fuerzas Populares para la Liberación Nacional (FPL), que criou o Instituto Cinematográfico El Salvador Revolucionário (ICSR) e o Ejército Revolucionario del Pueblo (ERP), que criou o Sistema Radio Venceremos (SVR). Ambos representavam o cinema engajado salvadorenho, transmitindo conteúdo político e histórico dos conflitos. Grégori (2006) cita como obras fundamentais deste momento, o documentário de Manuel Sorto e Guillermo Escalón, La Decisión de Vencer (1981), e, o filme de Diego de la Texera (ICSR, 1982), El Salvador, el Pueblo vencerá, traduzido para nove línguas e distribuído em trinta países.

O fim do conflito armado transformou a indústria cinematográfica de El Salvador. Ainda que, até então, os documentários fossem dominantes, a ficção começa a ganhar espaço na terceira fase do cinema salvadorenho, o cinema de pós-guerra. As narrativas dos filmes, ao invés de estarem voltadas para os acontecimentos da guerra, retratavam o fluxo migratório do povo de El Salvador rumo aos Estados Unidos como se pode ver em Homeland (1999), Silencio del Amanecer (1999) e Medio Tiempo (2001). Fugindo um pouco dessa temática, ainda na década de 1990, Javier Duran lança o longa musical Nacidos Para Triunfar (1994), sobre um dos músicos mais emblemáticos de El Salvador e a sua banda, Jhosse Lora.

Cecília Mélo

Referências:

GRÉGORI, Ruth. Los Documentos del Cine Salvadoreño: La Tradición Desconocida. Elfaro.Net. San Salvador, 15-21 mai. 2006. Seção El Agóra.

Disponível em: www.archivo.elfaro.net Acesso em: 7 mai. 2015.

LINDO-FUENTES, Héctor. FORDHAM UNIVERSITY. La Televisión Educativa en El Salvador como proyecto de la Teoría de la Modernización. Disponível em: www.ues.edu.sv. Acesso em: 8 mai. 2015.

SORTO, Manuel. El Salvador la aventura cinematográfica. Diário Digital Contrapunto, El Salvador, 23 abr. 2009. Seção Cultura. Disponível em: www.archivocp.contrapunto.com.sv. Acesso em: 7 mai. 2015.

Blogs, Sites e Publicações

Cine Salvadoreño – oscarperdomoleon.com